BLARGHAAAHRGARG!

Eis a curta que deveria ter ganho o MOTELx.

Dog Days are Over!

Três foi a conta que a Pastora fez…

Considerando que as duas últimas ressurreições não deram assim grande resultado, a Pastora irá tentar uma terceira e definitiva vez, voltar ao mundos blogs. No entanto, acho que devo aqui uma explicação relativamente ao meu estado de hibernação dos últimos tempos… 

O facto é que a Pastora acabou de atravessar um importante ciclo na sua vida laboral. Para tal, teve que abandonar os campos e ir para a periferia da cidade. Durante este ano de perfeita provação humana, a Pastora teve de lidar com os mais vis obstáculos, naquele que foi um verdadeiro exôdo pelo deserto dos subúrbios. Entre estes obstáculos, encontrou claro, a Peixeira, tirânica superiora hierárquica. Outro dos grandes obstáculos, tratou-se claro do megalítico volume de trabalho abrituído à Pastora (adivinhem por quem…). No entanto, hoje, meus amigos, é o dia da libertação da Pastora! Esse dia tão aguardado… o último dia da Pastora no seu local de trabalho! Claro que, depois disto a Pastora enfrenta um futuro de incertezas e provável precariedade, but… what the hell, I ain’t gonna work for Maggie’s Farm no more! *

* referência gentilmente cedida pela versão do Bob Dylan que vive na minha cabeça  

Paisagem musical de Verão

Se tudo correr como planeado, conto ouvi-los no meio da tempestade de areia do Meco (aka Super Bock Super Rock).

The good shepherd

Diz por aí que Cristo ressuscitou ao terceiro dia. Já a Pastora ressuscitou ao terceiro mês… Coincidência?!

The bitch is back!

É verdade queridos leitores, a Pastora está de regresso após uma licença sabática de sensivelmente 3 meses. Com muita pena minha, não me tem sido possível dedicar o tempo merecido ao meu pequeno pasto, que é este blog. No entanto, é com grande satisfação e surpresa que constato, que apesar de tudo, ainda continuei a ter algumas visitas durante a minha ausência. For what is worth, aqui fica um pedido de desculpas aos meus leitores (que são poucos mas bons), pelo meu súbito desaparecimento.

Durante este período de hibernação blogática (se é que a palavra existe), a Pastora teve a oportunidade de viver diversas aventuras, ainda que nem todas elas fossem muito agradáveis. De qualquer das formas, muito há a contar, por exemplo, em relação à Peixeira, personagem já aqui antes referida e indubitavelmente uma das maiores arqui-inimigas da vossa amiga Pastora. É verdade, a Peixeira voltou à carga com a sua arma de combate, que neste caso é uma mala Louis Vuitton (imitação tailandesa, claro…), obrigando assim a Pastora a defender-se com o seu cajado e a dar-lhe, citando alguém do mundo do futebol, uma «sapatada de luva branca». De qualquer das formas, os confrontos com a Peixeira serão descritos em maior pormenor brevemente, em mais um post das Aventuras da Pastora. Apenas vos quis deixar com água no bico… (bela estratégica de marketing, hein?)          

 Mas não é só… não percam os próximos posts acerca do tenebroso caminho de decadência da Leiteira (também famosa personagem deste pasto), da existência do Homem-Camaleão, nova personagem do pasto (que é também um aliado da Pastora, logo é bonzinho), e das novas paisagens musicais que a Pastora anda a saborear, and so on, and so on, and so on…  

Não percam!    

Já descobri a música para o meu funeral…